Migrações: Por que encará-las?

O Oracle JD Edwards EnterpriseOne pode responder suficientemente rápido às mudanças que ocorrem no mercado e nos processos de negócio. Assim, atualizar o ERP ao longo do tempo, promove vantagens competitivas pela velocidade e qualidade de como o sistema reagirá a estas mudanças.

Entre outros objetivos específicos, um projeto de migração trará os seguintes benefícios a sua empresa:

  • Redução de Riscos: Uma versão atualizada do ERP suporta as últimas atualizações de sistema, envolvendo segurança de internet e dados corporativos.
  • Resgate de Recompensas: Com a versão atualizada do ERP, as empresas conseguem aproveitar as centenas de melhorias e disponibilizar novos módulos para utilização.
  • Aproveitamento das Pesquisas Realizadas pela Oracle: A atualização do ERP permite ao cliente que ele aproveite os milhões de dólares investidos, pela Oracle, em pesquisas e desenvolvimento.
  • Manutenção da Equipe de Trabalho: Com um software atualizado, os usuários e administradores trabalham com um aplicativo moderno, gerando experiências de trabalho positivas.
  • Alcance Remoto: A migração permite a utilização de aplicações nativas do JDE em plataformas móveis.
  • Substituição de Requerimentos Legais: Um ERP atualizado cobre uma maior variedade de requerimentos legais.
  • Realização do ROI: A migração posiciona a organização para que se obtenha melhores resultados relacionados a melhores relatórios, usuários mais produtivos e diminuição dos custos de propriedade.

Migrações Oracle JD Edwards EnterpriseOne

Desde o lançamento do JD Edwards pela Oracle, a MPL vem se aprofundando nas melhorias disponibilizadas em cada versão, através dos diversos projetos de migração junto à  base instalada e implantação em novos clientes.

Basicamente, 2 tipos de migração podem ser conduzidas:

  1. Migração da versão do Tools
    Em alguns casos, para que o cliente tenha o benefício de melhorias disponibilizadas no ambito geral do sistema, não há necessidade de migrar a versão da aplicação e sim apenas a versão do Tools.
  2. Migração da versão da Aplicação
    É de bom tom que a cada, no máximo, 5 anos de utilização seja feita uma migração da versão da aplicação instalada em sua empresa.
    Quando falamos em migração da versão da aplicação, podemos adotar 2 políticas diferentes para o projeto. A primeira trata de uma migração convencional, onde todas as customizações são analisadas e é feito um retrofit destas customizações na nova versão para que depois o novo ambiente seja liberado para testes dos usuários chave.
    A segunda política trata de uma migração “por exceção”, onde logo após a instalação da nova versão, o ambiente é disponibilizado para testes por parte dos usuários chave. A partir dos testes executados, as customizações vão sendo realimentadas na nova versão, quando necessárias.

Ferramentas que podem ajudar em um processo de Migração

No mercado, existem várias ferramentas que podem auxiliar em um processo de Migração, seja ele uma Migração de Tools ou de Aplicação: identificando objetos que realmente tenham sofrido alteração de código, orientando os testes de determinada funcionalidade dentro de uma aplicação, criando um roteiro de testes que pode ser replicado indefinidamente ou pode-se, ainda, utilizar ferramentas que permitem à sua companhia realizar pequenas migrações, dando pequenos “pulos” constantemente, em contra-partida a um grande “salto” a cada 5 anos.

4 Questões Importantes

Independente do projeto de migração a ser implementado em sua companhia, existem alguns pontos importantes que devem ser observados:

  1. Migre a versão do Tools Regularmente
  2. Planeje a migração antes de iniciar o projeto para determinar a estratégia de retrofit e testes
  3. Utilize em seu projeto de migração os melhores recursos de sua organização.
  4. Simule as atividades de preparação do GO LIVE várias vezes antes da migração final.